Rubens Lima

Um poeta que é apaixonado pelo que é e pelo que faz.

Textos


              13 DE MAIO DE 1888 




Meus filhos têm o dever

De nunca, nunca esquecer...
Do dia treze de maio,
Que não foi nosso alvorecer.
 

Meus filhos têm que saber,
Da história que faz tanto mal.
Que um dia o ser humano,
Tratou o outro de forma desigual.
 

Meus filhos têm que saber,
Que todo homem nasce igual.
Que alma é incolor,
E o preto é racional.


Que são poucos pretos doutores,
Que os detentos são maioria.
Nunca se viu um governante,
Preto, no Estado da Bahia.
 

Temos um só Senador,
Deputados são minorias.
Vamos mudar essa história,
Que substima a maioria.


Não vamos nos subestimar

Muito menos nos manter calados.
Aceitando ser bons artistas,
Bandidos ou empregados.
 

Ser preto não é ser bandido,
Ou mesmo um ser favelado.
Generais pretos não vemos,
Continuamos escravizados.



 
Rubens Lima
Enviado por Rubens Lima em 13/05/2018
Alterado em 15/06/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para o site "www.rubenspoeta.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras