Rubens Lima

Um poeta que é apaixonado pelo que é e pelo que faz.

Textos


MEMÓRIA DE UM VELHO PEIXEIRO




 
Três horas da manhã,
Mais um dia que vem.
Ela e meus filhos dormem...
Tomo um cafezinho requentado
E vou pegar o trem.


Ainda está escuro,
Muito tenho que caminhar.
No trajeto até a estação,
Sob a garoa fina e fria,
Eu me ponho a pensar.


Não quero isso para meus filhos,
Deles vou me orgulhar.
Quero vê-los formados,
Para que não precisem
Da Central à Praça 15 todos os dias caminhar.


As embarcações chegam com os peixes,
Ainda os vejo saltitar.
Faço meu pedido,
Embalo-os cautelosamente,
E retorno pelo mesmo lugar.


Cinco e meia da manhã,
Chego em Queimados, na estação,
Estou cansado e sonolento.
Em casa ainda todos dormem,
Mas não me esqueço do pão.


Não posso reclamar,
Sou movido pela fé,
Meu cachorro me recebe radiante.
Ela com o sorriso motivante,
Recepciona-me  com o café.


No velho carrinho de mão,
Ponho-me  a refazer,
O ritual de todos os dias.
Para educar meus filhos
E por fim nos manter.


"- Peixeiro, me dá um peixe!"
Ouço o menino falar.
Respondo: "- Vivo ou morto?"
 " - Morto."
Só tem vivo, não vai ganhar...





Com a balança de mão aferida,
A freguesia nunca reclamou.
Nunca tenho, nem dou prejuízo.
E assim a freguesia do bairro Paraíso, 
Um bom peixe sempre degustou.
 

Corvina, sardinha e robalo...
Cavalinha, xarelete e xaréu...
São os peixes mais apreciados,
Que o povo menos afortunado,
Compra-me sempre a granel.




Era assim todos os dias,
A sua rotina pra nos manter.
Foi cedo, muito cedo,
Às três e vinte da manhã,
O meu primeiro sofrer.


Eu tinha apenas 
14 anos,
Quando fui acordado para socorrer.
O meu saudoso velho peixeiro,
Com a funesta notícia que seu coração havia parado de bater.
 
Rubens Lima
Enviado por Rubens Lima em 24/04/2012
Alterado em 18/11/2018


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras